ACESSE A REDE XAMÂNICA: Portal Xamanismo | Xamanismo Ancestral | Xamanismo Quântico | Xamanismo Holográfico | Ordem de Shiva | Aldeia de Shiva - Net | R'XA | Akaiê Sramana
 
 
HOME | ALDEIA | AGENDA | MEDICINAS | TRATAMENTOS | CURSOS | RITUAIS | EVENTOS | GALERIA | DEPOIMENTOS | LOJA | LOCALIZAÇÃO | CONTATO
 
Medicinas
Iboga Sagrada
 
  Ayahuaska
  Jurema
  Peyote
  San Pedro
  Iboga
  Tabaco
  Sálvia Divinorum

Frutos da Árvore Iboga Frutos da Árvore Iboga

Raízes de Iboga Raízes de Iboga

Pessoa consagrando Iboga Pessoa consagrando Iboga

Adquira o livro do Mestre Xamã Akaiê Sramana:

Livro Xamanismo Ancestral - O legado da Índia antiga
  Xamanismo Ancestral
O legado da Índia antiga

Clique aqui!

Nome: Iboga
Nome científico: Tabernanthe iboga
Classificação Xamânica: Planta Mestra Professora
Origem: Gabão, Camarões, Congo e toda Floresta Equatorial da África
Substâncias ativas: Ibogaína e outros alcalóides
Nomes mais conhecidos: Iboga e Ibogaína


A Iboga é um arbusto nativo da África equatorial, que nasce no vale do rio Muni, nos bosques tropicais do Gabão, no Congo e praticamente em todo território equatorial-oeste do Continente Africano e é utilizado por diversas seitas e religiões africanas, em especial pelos curandeiros, xamãs, mestres e professores da religião Bwiti, originária da República do Gabão.

Foram os pigmeus que a identificaram a muito tempo atrás, observando os javalís, que se alimentavam das raízes do arbusto e depois hibernavam por muitas semanas.

O arbusto de Iboga chega a medir de 2 até 10 metros de altura, suas flores são brancas e rosadas e seus frutos alaranjados.

O componente ativo da planta é a Ibogaína, que se encontrada nas raízes da planta, cujo corte é a base para diversos rituais e também um remédio de aplicação diária na África. Em pequenas doses a Iboga estimula o Sistema Nervoso Central, é afrodisíaca, vigorizante e supressora da fome e do sono.

Fora da África a Iboga está sendo usada no tratamento da adicção, alcoolismo, tabagismo, cocaína, crack, heroína e morfina, garantindo a cura sem os simtomas de abstinência. Sem falar que desintoxica o corpo em poucos dias.

Em doses grandes o Iboga nos induz a visões, por isso tem se tornado um elemento central em diversos rituais africanos. Um dos mais conhecidos se chama Bwiti, da etnia Fang. Bwiti significa "liberdade" e se sustenta no consumo de grandes doses de Iboga para acender as visões e assim refletir sobre sua vida e para renascer fisicamente e mentalmente. Nesta ordem de idéias, se relaciona com os temas universais da vida e da morte, e pode considerar uma cerimônia análoga aos desaparecidos mistérios euleusianos da Grécia antiga.

Na religião Bwiti os rituais duram 2 dias, onde as pessoas mastigam e comem as raízes do Iboga, tomam seu chá e se banham das folhas da planta. Durante o ritual a pessoa enfrenta várias provas de renascimento e purificação. Quando termina o ritual, desperta um sentimento de amor, paz e equilíbrio para com toda a Natureza.

Em estudos preliminares com ratos, a substância conhecida como Ibogaína confirmou suas propriedades anti-dependência do álcool. O mecanismo pelo qual a substância age no corpo foi identificado, abrindo novos caminhos para o desenvolvimento de drogas para combater o mal.

Durante a pesquisa, ratos e camundongos foram induzidos ao consumo de álcool em doses diárias até habituarem-se à bebida. Os testes com Ibogaína demonstraram uma queda efetiva no consumo da substância pelos roedores, diretamente relacionado ao aumento da produção de uma proteína pelo cérebro, o GDNF. A relação entre o GDNF e o controle da dependência permitirá o desenvolvimento de medicamentos para tratar o alcoolismo, sem os efeitos colaterais da Ibogaína.

Mesmo com suas propriedades terapêuticas reconhecidas, a Ibogaína não deve ser estudada como base para o desenvolvimento de remédios – sua alta toxicidade e características alucinógenas são os principais motivos para que o mecanismo pelo qual ela funciona seja utilizado pela indústria farmacêutica sobre diferentes formas.

A Ibogaína é hoje utilizada por clínicas de tratamento em 12 países em seis continentes para tratar o vício em álcool, cocaína em pó, crack, heroína e metanfetamina, assim como para facilitar a introspecção psicológica e exploração espiritual. Embora tenha sido colocada na proibição das drogas mais rigorosas nos Estados Unidos e em vários outros países.

Canadá e México, ambos permitem tratamento com Ibogaína nas clínicas a operar abertamente e contribuir para uma maior compreensão do processo de dependência. Já no Brasil, nenhuma lei se pronunciou até o momento.

USO MEDICINAL

Além do uso ritual, a Iboga auxilia no tratamento de desintoxicação e adicção (drogadição).

USO RITUAL

Além do uso ritual e tribal da África, a Iboga está sendo utilizado em vários países, inclusive nos países europeus, onde surgiu a religião Sacramento da Transição, se baseia na consagração da Iboga, onde a maioria de seus membros são ex-viciados em drogas.

EFEITO

O efeito da Iboga nada se compara a nenhuma outra Planta Mestra Professora. Ela atua imobilizando o Sistema Nervoso Central, deixando a pessoa com uma sensação de fraqueza, induzindo-a ao sono profundo. Neste estado inicia-se a expansão da Ibogaína, deixando a pessoa como se fosse um zumbi e em alguns casos levando a pessoa a um estado de coma induzido, que se desfaz, quando o efeito passa.




Retornar  retornar topo  Topo da página
 
 
© Copyright 2014. Akaiê Sramana. Todos os direitos reservados. Desenvolvido pela Aldeia de Shiva - Net.